terça-feira, 8 de abril de 2014

As águas do palácio

22% foi quanto o Palácio dos Bandeirantes gastou a mais de água em janeiro deste ano, segundo o Estadão de hoje. Veja a manchete:



Os títulos, manchetes etc, são muito importantes num texto, pois são eles que resumem o que vem pela frente e o leitor vai levar consigo essa informação. Todo cuidado é pouco. Quando você coloca um número num título então, fique bem atento! Ele ficará "carimbado" no cérebro de quem o vir. Pois bem, vamos estudar um pouco esses 22%, eles são em relação a quê? No gráfico da matéria isso fica esclarecido:



Veja que a referência escolhida foi o mês anterior. Será que isso é um bom critério? Isto é, devemos apresentar a variação de um indicador sempre em relação ao valor anterior? A resposta é não. Não porque há sempre uma variação comum no indicador, fruto de uma variação natural nos dados. Pode acontecer de num mês o indicador oscilar pra baixo e no outro oscilar pra cima, a diferença pode ser grande, mas ainda assim pode ser fruto de variação comum.

Para tirar essa teima, usamos um gráfico de controle. Falamos sobre eles em vários posts, principalmente em "Análise de séries com Gráficos de Controle". Veja o resultado para as águas do palácio (média e limites foram calculados com os valores de 2013 somente):



Conclui-se que o consumo da sede do governo está estável. Não podemos dizer que houve aumento, nem queda. Somente variação comum dos valores.

E aí?

Aí, que nosso governador, que deveria trabalhar focado em coisas muito importantes (tomar medidas para enfrentar a enorme seca atual, por exemplo), passou o dia dando explicações sobre a conta de água do palácio. Claro que ele não fez a lição de casa e merece um corretivo.

Ah, esqueça então os 22% de aumento. Se você quiser ainda um número para jan/14, que pelo menos seja em relação à média de 2013. Nesse caso podemos falar: "Em janeiro de 2014 o Palácio dos Bandeirantes teve um consumo 11% maior que a média mensal de 2013".

E, se você não tem um software para fazer um gráfico de controle, use o bom e velho gráfico de tendências. Veja este em que coloquei a meta de redução de 20% (em relação à média mensal de 2013):



Governador, eis mais um indicador para sua gestão!

Até
Roberto

Nenhum comentário:

Postar um comentário