quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O gráfico de barras e a visualização de tendências.

O que você quer saber quando pega um gráfico com dados sobre violência? Se há alguma tendência, não é? Subiu, caiu ou estabilizou? O que será que aconteceu com o número de crimes nos últimos tempos?

Ok, então procure por essa informação no gráfico da Folha dessa última terça:



É visível que os roubos diminuíram nos últimos anos em Nova York, certo? Mas e quanto aos homicídios? Hum, deixe-me ver... É, eles caíram também.

Essa segunda resposta exige esforço. Precisa-se de observar os valores escritos no gráfico, não dá pra ver pelas barras azuis. Elas são muito pequenas para se observar quaisquer tendências.

Dizemos, nesse caso, que não há resolução gráfica. Não há porque são duas séries cujos valores têm magnitudes muito diferentes (uma na casa dos milhares e outra na das centenas) colocadas sob a mesma escala.

O que fazer então?

A primeira coisa é certificar-se que seu objetivo é mostrar tendências. Se sim, vamos recorrer a quem tem justamente esse nome, o gráfico de tendências. Vejamos, o resultado com as duas séries juntas:



Pois é, deu na mesma que o gráfico da Folha... O problema da escala ainda persiste. O jeito mais simples, então, é fazer os gráficos em separado:



Opa! Bem melhor, poderíamos parar por aqui. O leitor já teria sua informação de maneira eficiente e precisa. Em contraste ao subtítulo da Folha, os indicadores não estão estáveis. Eles caíram.

Avançando na análise, eu me perguntaria: caíram na mesma proporção? Para ver isso precisamos fazer contas. É comum (veja exemplo em Prolixidade Gráfica) plotar as variações percentuais de um ano para outro. Observe o resultado ao se fazer isso com nossos dados:



Ficou bonitinho, caprichado, desvios positivos numa cor e negativos noutra, barras bem apresentadas etc. Uma nota para esse gráfico, por favor?

Zero, um redondo zero! Cadê a informação de que a violência vem caindo nos dois tipos de crime? Não faça isso, hein? Por meio de variações não se vê claramente as tendências, ok?

Tenho outra sugestão. Opte por uma forma mais fácil e que dá bons resultados. Tome o primeiro valor de cada série como referência e atribua 100% a ele. Plote em seguida os próximos valores como percentuais desse primeiro. Você pode colocar, assim, todas as séries numa só escala e comparar a proporção de queda de cada indicador.



Gostei.

Até
Roberto

2 comentários:

  1. Excelente dica, Roberto! Trabalho com gráficos há muitos anos e nunca havia pensado nesta alternativa.

    Abraço,
    Marcelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcelo, obrigado pelo comentário. Essa dica está no livro da Dona Wong - http://donawong.com
      Abraço

      Excluir