domingo, 27 de outubro de 2013

Prolixidade gráfica

Precisei criar o termo prolixidade gráfica para expressar o que senti ao ver o gráfico da matéria da Folha deste sábado cujo título é "Homicídio em SP cai pelo sexto mês seguido". Procure você mesmo por essa informação:



O pecado do jornal foi tentar rebuscar demais a análise ao comparar mesmos meses de anos consecutivos e não simplesmente a sequencia natural de meses. Seria adequado adotar essa comparação de mesmos meses se houvesse uma forte sazonalidade nos dados. Além disso a matéria traz dados somente a partir de abril de cada ano, estranho...

Para esclarecer um pouco as coisas, colhi os dados faltantes no portal da SSP/SP e fiz o gráfico:



Não noto diferenças significativas entre os anos, e você? Estranha essa escolha justamente dos meses em que houve a tal queda relativa. Seria proposital para se criar a matéria? Está com cara de um press-release de que o jornal se aproveitou e tentou trabalhar os dados contidos nele.

Voltando ao gráfico prolixo, minha sugestão é que se faça simplesmente um bom e velho gráfico de tendência para acompanhar cada indicador de violência. Veja por exemplo os casos de homicídios, roubos, estupros e roubos de veículos desde 2011 (disponíveis na página da SSP/SP):



Mais fácil de ler e interpretar, não acha? Quanto aos homicídios, note que houve um surto no fim de 2012, voltando aos padrões após a troca de secretários de segurança.

No caso de estupros, estamos numa tendência de retorno aos padrões de 2011 após elevação em 2012.

Roubos e roubos a veículos, estão saindo do controle e esses deveriam ser o foco da matéria.

Até
Roberto