segunda-feira, 4 de abril de 2011

O bom e velho histograma.

Para simplificar a vida de todos, a gente selecionou cinco gráficos que resolvem a grande maioria das situações de visualização de dados:


Os quatro primeiros são muito usados, não dão trabalho nem pra ensinar nem pra fazer, e aparecem em ferramentas convencionais, tipo Excel. Agora, o histograma, tão usado na indústria para análise de capacidade de processos, é o "patinho feio" nas empresas de serviços. É raro de se ver. Minha hipótese para isso é: como ele não aparece como uma opção pronta do Excel, então ele simplesmente não existe!

Certa vez, um grupo de melhoria de qualidade numa grande empresa de serviços coletou dados de "quanto tempo demorava para um cliente recorrer ao Procon após ter tido um problema", veja o gráfico que me apresentaram:

Eu disse: "Ué, por que vocês não usaram um histograma?" A resposta foi porque não havia histograma no Excel. Fiz o gráfico abaixo com os mesmos dados com outro software e o grupo achou bem melhor a visualização.
Acho que há uma grande confusão entre histograma e o gráfico de barras. No primeiro estamos procurando pela forma da distribuição de uma variável numérica, enquanto no gráfico de barras, procuramos comparar quantidades em variáveis categóricas.
Uma boa maneira de se entender o uso de um histograma é através da "Máquina de Galton", também chamada de Quincunx. Veja um ótimo exemplo dessa máquina no vídeo abaixo:



Costumo, também, apresentar o histograma como um complemento de visualização dos gráficos de tendência e de dispersão, vejam:

Fica aqui minha dica aos que trabalham na indústria de serviços: aprendam bem os 5 Gráficos de Ouro, e não se esqueçam que existe o bom e velho histograma.

Até,
Roberto

3 comentários:

  1. Roberto,

    Muito bom post. Realmente o Excel causa um certo prejuízo ao mundo da análise de dados devido à dificuldade de se preparar histogramas usando-o. Incluiria nesta categoria dos gráficos desprestigiados o gráfico de dispersão. Também difícil de ser preparado com o Excel.

    O filme com a "Máquina de Galton" é muito bom.

    parabéns.

    Carlos Lobo.

    ResponderExcluir
  2. Roberto,
    Muito legal esse post! Simples, direto, e diz tudo! Assim como um gráfico deve ser. Gostei dos gráficos de dispersão combinados com histograma. Show!
    Abs,
    Roberto Nanni

    ResponderExcluir
  3. Agradeço os comentários! Sobre o Excel é difícil viver sem ele, tem um geração inteira Excel-dependente que precisa ser educada.
    Abraços

    ResponderExcluir