terça-feira, 16 de novembro de 2010

Tabelas também facilitam a compreensão do leitor

Neste blog a gente foca a comunicação com gráficos, mas nem sempre essa é a melhor forma de se apresentar dados. Existem ocasiões em que uma tabela traz mais ganhos para o leitor. Elas já apareceram no post "Nada se cria, tudo se copia". Veja, também, o exemplo abaixo onde o objetivo é comparar a força bélica da Índia com a do Brasil, publicado na FSP, dia 16/11/2010, A14.


Usando um pequeno espaço, o jornal me convenceu de que a força bélica da Índia se encontra muito superior a nossa.
Se fossemos transmitir esta informação através de gráficos faríamos várias barras, como no exemplo abaixo (publicado na mesma matéria).


Seriam necessários mais oito gráficos como esse, um para cada tipo de armamento.
Portanto, tenha sempre em mente qual o objetivo do gráfico, qual a conclusão que se quer transmitir ao receptor, e depois pense nos instrumentos disponíveis, seja um gráfico ou uma tabela.

No caso analisado a tabela resumo facilita a compreensão do fato (força bélica da Índia é superior a do Brasil). Isso se deve à diferença na ordem de grandeza dos números, ao bom uso da pontuação do milhar, e ao alinhamento à direita. A tabela apresentada está, também, bem leve, isto é, com linhas horizontais finas e sem as linhas verticais desnecessárias. Mas nem tudo saiu perfeito. Há um desalinhamento das figuras com o texto a que se referem. Deve ter havido um descuido de revisão final.

Resultado: Show de tabela, mas não se esqueça da revisão!
Abraços,
Satomi

Um comentário:

  1. Bacana isso!
    Sempre achei tabelas chatas, mas mudei minha opinião.
    Valeu pela dica!
    [ ]s

    ResponderExcluir